Quinze estudantes foram selecionados para representar a microrregião do Vale do Aço na modalidade de xadrez, na fase regional dos Jogos Estudantis de Minas Gerais (JEMG). A disputa será realizada nos dias 22 e 23 deste mês, em João Monlevade.

De acordo com um dos coordenadores Pedagógicos da Fundação Brasileira de Xadrez (FBX), Alexander Souza, a instituição atua na formação de professores de educação física para ministrar o jogo de tabuleiro nas escolas públicas e privadas. “Em algumas escolas a aula de xadrez está na grade curricular e temos oficinas aprofundadas. Agora, estamos preparando para mais uma etapa do JEMG, aplicando os métodos básicos e desenvolvendo também os mais avançados, já que o torneio irá exigir bastante dos alunos selecionados”, destaca Alexander.

O esporte é um importante auxílio dentro do desenvolvimento escolar, principalmente, durante o ensino fundamental. Além de contribuir para melhor assimilação dos conteúdos de matemática, a coordenadora Pedagógica da FBX e professora de xadrez, Neury Segal, afirma que o jogo ajuda na formação de personalidade da criança. “O xadrez enquanto disciplina curricular vem para reforçar o raciocínio lógico matemático, elaboração de estratégias para resolver questões em todas as disciplinas. E também, mudança de postura, atitude ética com o outro, desenvolvimento da atenção e concentração e, principalmente, o respeito com o adversário”, salienta a professora.

A aluna campeã da fase microrregional, Luíza Lombardi, conta que descobriu no xadrez uma forma prazerosa de aprender matemática. “Eu tinha muita dificuldade, e vi que as estratégias do xadrez poderiam me ajudar dentro da sala de aula. Hoje, sou apaixonada pelo jogo e estou começando a gostar de matemática” destaca Luíza.

Com treinos semanais, os alunos classificados afirmam que não foi fácil vencer e que na próxima etapa a expectativa é de um desafio ainda maior. “Na 2ª etapa do JEMG eu fiquei um pouco nervosa, havia treinado bastante, mas acabei ficando surpresa com o resultado. Ano passado participei da regional em Itabira e não classifiquei, este ano irei me esforçar muito para ir pra (etapa) estadual”, pontua a campeã.

Outro aluno que passou para a próxima fase do JEMG é Arthur Biachini. Ele revela que o treinamento é essencial para fixar as estratégias. “Aqui, no Colégio John Wesley, a gente treina toda semana com pessoas do nosso nível e aprende muitas técnicas com os professores da FBX. No JEMG, com certeza, vai ser mais difícil, mas vamos lá!”, disse Arthur.

A FBX, por meio do Clube Brasileiro de Xadrez Escolar, oferece oficinas abertas ao público, às segundas e sextas-feiras, das 14h às 16h, no Colégio John Wesley, Centro de Ipatinga.

Related Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published.

comentários